Ícone que leva para o Fale Conosco Ícone que leva para informações de Telefones Ícone que leva para Ouvidoria Ícone que leva para endereços, telefones e e-mails das Comarcas Ícone que leva para o Portal Transparência

 

Servidor do TJRR desenvolve cartilha “Convivendo com Pessoas com Deficiências”


Com objetivo de sensibilizar as pessoas sobre deficiência e de como lidar com os vários tipos de deficiência, o servidor Aldair Ribeiro desenvolveu a cartilha “Convivendo com Pessoas com Deficiência”. A a cartilha nasceu da sua própria necessidade. Ao longo de 10 anos, Aldair foi perdendo a audição, até alcançar um grau severo da deficiência e com isso, recebeu incompreensões, irritação, impaciência e preconceito.

Aldair ingressou no Tribunal de Justiça de Roraima por meio do primeiro concurso público da instituição, em 1996. Atualmente lotado na Subsecretaria de Patrimônio, ele conta que a cartilha é uma compilação de dicas de como conviver com pessoas com as suas deficiências específicas. No caso da cartilha, com cadeirantes, com pessoa com muletas, dificientes visuais, deficientes auditivos, pessoas com paralisia cerebral e deficientes intelectuais.

“Hoje para ouvir, uso um aparelho auditivo no lado esquerdo e um implante coclear no lado direito. Sem essa tecnologia, sou completamente surdo. A causa da deficiência auditiva é desconhecida, uma vez que não tive nenhuma doença que causasse perda auditiva. Provavelmente, um gene hereditário, uma vez que tenho na família outra pessoa com surdez. Assim fui vivendo (e vivo) experiências ruins de atendimento em clínicas e órgãos públicos e até de colegas de profissão. Então resolvi escrever fazer algo: educar as pessoas do meu convívio” afirmou.
 
O servidor conta que escreveu as dicas e em todos os lugares onde existe atendimento ao público, faz a distribuição da cartilha, impressa ou em PDF para quem quiser. “Na cartilha, dediquei um espaço maior para minha deficiência e uma parte com dicas para médicos e atendentes de consultórios. A chave para a atitude inclusiva, para a plena acessibilidade, está em cada um. Colocar-se no lugar do outro, respeitar a pessoa deficiente exatamente como você gostaria de ser respeitado” concluiu.

 

Clique aqui para acessar a cartilha

Boa Vista, 31 de janeiro de 2018.

Núcleo de Comunicação e Relações Institucionais – NUCRI
Escritório de Comunicação