Ícone que leva para o Fale Conosco Ícone que leva para informações de Telefones Ícone que leva para Ouvidoria Ícone que leva para endereços, telefones e e-mails das Comarcas Ícone que leva para o Portal Transparência

 

Direito Indígena: Magistrados e defensores públicos conhecem de perto realidade de comunidade

 

 

No encerramento do Curso “O poder Judiciário e os Direitos Indígenas”, promovido pela Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados Ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira – ENFAM, em parceria com a Escola do Poder Judiciário de Roraima - EJURR e com a Escola de Magistratura Federal da 1ª Região – ESMAF, os magistrados e defensores públicos visitaram a Comunidade indígena Maturuca, na Terra Indígena Raposa Serra do Sol.


Além dos juízes e defensores públicos estavam presentes o ministro do Superior Tribunal de Justiça, Herman Benjamin, o desembargador do TJRR Almiro Padilha e o procurador do Ministério Público Estadual, Sales Eurico Melgarejo Freitas.


Ao chegar à comunidade, na sexta-feira (24), as autoridades foram recebidas com danças e cânticos na língua materna macuxi. Para o desembargador Eladio Lecey, presidente da Comissão de Desenvolvimento Científico e Pedagógico da ENFAM, o momento serviu para que os participantes conhecessem a realidade da comunidade e falou da experiência.


“Essa visita foi algo impactante, surpreendeu positivamente a maneira como os indígenas nos receberam. Foi um carinho fantástico e uma das coisas que me chamou atenção foi o canto deles de força, luta e preservação. Muitos jovens cantando na língua materna, isso me deixou muito emocionado”.

Os magistrados e defensores públicos além de conhecerem a cultura dos indígenas também visitaram um dos pontos turísticos do local, a serra onde fica torres para medição de ventos, do projeto Cruviana do Conselho Indígena de Roraima em parceria com o Instituto Socioambiental e Universidade Federal do Maranhão.


A juíza federal do TRF 1ª Região, Deyse Starling falou que a experiência foi gratificante. “Eu costumo dizer que o papel comporta tudo e ao mesmo tempo não comporta nada. Então, o papel é capaz de criar realidades que não existem e ao mesmo tempo não nos dá o tom, a cor daquela realidade, daquela comunidade e quando podemos juntar o curso teórico com a parte prática, de conversar com a comunidade, aí é perfeito”, disse a magistrada ao destacar a importância da troca de conhecimentos.


“Foi muito bom observar a percepção que eles têm de nós, de como pensamos. Se conseguíssemos fazer isso com o direito, com as nossas práticas do dia a dia, com as principais causas do Judiciário. Com certeza nós seríamos um Judiciário melhor”.



O defensor público de Roraima, Januário Lacerda também falou da experiência. “É um momento ímpar, pois nós trabalhamos com várias questões indígenas, principalmente com registro civil, além da parte criminal. Esse curso vem nos capacitar para entendermos melhor o direito dos indígenas”.

 

O juiz do TJRR Aluízio Ferreira, que foi um dos facilitadores do curso, com o tema “A Resolução dos Conflitos Internos como Manifestação da Diversidade Cultural Indígena, disse que ficou muito satisfeito.

“A parte teórica dá subsídios sociais, interculturais de interdisciplinaridade para que eles compreendam o ponto de vista teórico e a realidade diferenciada e com base nisso, em contato com dados concretos, eles possam ter mais subsídios para decidir de uma forma mais justa. Vindo em uma comunidade essa realidade conhecida do ponto de vista teórico fica mais palpável e faz com que os magistrados tenham mais segurança em suas decisões”.

 

O curso contou com vários facilitadores, entre eles a procuradora do MPF em Brasília, Ela Wiecko, juíza do TRF 1ª Região Célia Regina Ody Bernardes, juiz do TJRR Aluízio Ferreira Vieira, advogada do CIR, Joênia Wapichana e a antropóloga Lêda Martins.

 

 

 

 

 


Fotos: Orib Ziedson



Boa Vista, 27 de novembro de 2017



Núcleo de Comunicação e Relações Institucionais