Ícone que leva para o Fale Conosco Ícone que leva para informações de Telefones Ícone que leva para Ouvidoria Ícone que leva para endereços, telefones e e-mails das Comarcas Ícone que leva para o Portal Transparência

 

Coordenador da Infância realiza visita técnica à Comarca de Rorainópolis

 

O juiz  Parima Veras, coordenador da Infância e Juventude (CIJ), realizou ontem (7) visita técnica à Comarca de Rorainópolis para tratar sobre a expansão do serviço de depoimento especial para as comarcas do interior. A pedagoga da Coordenadoria da Infância e entrevistadora forense Vera Lúcia Wanderley Mendes e o arquiteto da Secretaria de Infraestrutura e Logística, Almerízio Ovídio Pinheiro Neto, também participaram da visita técnica.

O magistrado e a equipe conheceram o espaço físico onde será instalada a Sala de Depoimento Especial no Fórum Des. José Lourenço Furtado Portugal, com a finalidade de propor as adequações necessárias ao projeto arquitetônico, de acordo com o modelo indicado no Projeto.

 

Conforme o juiz a previsão é que ainda no primeiro semestre de 2018, a Sala de Depoimento Especial seja inaugurada e atenderá não só a Comarca de Rorainópolis, mas também a Comarca de São Luiz do Anauá.

A visita técnica está em conformidade com o Plano Bienal de Ação da CIJ/TJRR -2017/2018, Eixo I – Especialização e Regionalização da Justiça da Infância, que trata da expansão do serviço de Depoimento Especial para as Comarcas do Interior.

A Lei n. 13.431/2017 que estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência, define o Depoimento Especial  como  o procedimento de oitiva de  criança ou adolescente vítima ou testemunha de violência perante a autoridade  policial ou judiciária, o qual deverá ser realizado em local apropriado e acolhedor, com infraestrutura e espaço físico que garantam a privacidade da criança ou do adolescente durante sua livre narrativa sobre a situação de violência.

No curso do processo judicial, o Depoimento Especial será transmitido em tempo real para a sala de audiência, preservado o sigilo, e resguardando a  criança ou o adolescente de qualquer contato, ainda que visual,  com o suposto autor ou acusado, ou com outra pessoa que represente ameaça, coação ou constrangimento.

 


 

 

Boa Vista, 8 de novembro de 2017.

Núcleo de Comunicação e Relações Institucionais – Nucri
Escritório de Comunicação