Ícone que leva para o Fale Conosco Ícone que leva para informações de Telefones Ícone que leva para Ouvidoria Ícone que leva para endereços, telefones e e-mails das Comarcas Ícone que leva para o Portal Transparência

 

Juiz da Vara da Infância fala sobre erradicação do trabalho infantil em Roraima

 

Na manhã desta terça-feira (13) o juiz da Vara da Infância e Juventude Parima Veras participou da Audiência Pública na Câmara Municipal de Boa Vista onde falou sobre o “Combate e Erradicação do Trabalho Infantil na capital.

O magistrado destacou que o trabalho infantil não é um problema que envolve apenas fiscalização ou punição, mas há necessidade de inserir esses jovens em programas sociais. “Por isso nós temos que realmente fazer funcionar a Rede de Proteção da Criança e do Adolescente que é formada por todos os órgãos que desenvolvem atividades com crianças e adolescentes” afirmou.

Parima Veras ressaltou que entre os vários problemas relacionados ao trabalho infantil estão as crianças que convivem no lixão da capital. Conforme o magistrado, muitas são crianças de colo  levadas pelos pais que são expostas à situações degradantes.

“Esse é o problema mais urgente que temos que resolver. Quem visita o local percebe um cheiro horrível que fica impregnado na roupa e na pele. É algo realmente degradante, sendo uma necessidade urgente resolver. Prevenir é mais barato do que a internação. E muitas dessas crianças vão parar no hospital” disse.

Ainda conforme Veras é necessário desenvolver uma estratégia para conversar com os moradores do lixão. “Se eles percebem que tem uma instituição visitando, eles somem com as crianças. Por isso, temos que procurar meios de chegar até eles, conscientizando os pais para que possamos inserir essas crianças em programas sociais. Se tirarmos e não inserirmos em programas sociais, eles voltam pra lá. Então não conseguimos quebrar esse ciclo de pobreza, se não tiver educação e acompanhamento, porque os pais possuem uma renda mínima também” afirmou.
 
De acordo com o magistrado desde o ano passado, foram realizadas várias reuniões com a rede de proteção. “Estamos editando uma cartilha com a maioria dos órgãos que integram a rede para que possamos nos articular. Nessa cartilha, colocamos os órgãos responsáveis, dados de contato e qual a função e desempenho de cada um, para que sejam acionados conforme as necessidades que vão surgindo. Concluo dizendo que todos nós que somos servidores públicos e que ganhamos dinheiro dessa sociedade, temos que nos unir pra resolver esses problemas graves e isso é possível por meio de um trabalho articulado”.